Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

o mundo quieto

o mundo quieto

Apontamentos #6

Deixar entrar a luz. Iluminar o gesto, a sombra a bater nas paredes. O movimento transido e a condenação do silêncio. Onde te cabe tanta tristeza nesse pulso trémulo? Na pele quase translúcida a denunciar finos rios azulados? Há a loucura das aves que te tenta, o voo raso à migalha, a expansão em arco quando o vento muda a favor. O belo de todas as coisas frágeis, quase dramáticas. Haverá sempre uma tarde fria onde inventar esta procura. E o que te fica do sol? Um halo intocável de minúsculas partículas douradas levitando diante dos olhos. Não tivesses certeza do silêncio e julgarias vozes a perfurar as janelas, a clamarem o teu nome do lado de fora. As pontas dos dedos encostadas ao vidro gelado. E a comoção a expandir-se desde a garganta como uma fonte a despontar de negras lajes. Enumeras objectos. Papéis amarrotados, um porta-chaves perdido da argola, um frasco minúsculo de perfume. São os despojos possíveis, ninharias, santuários portáteis. Quem fui eu nesta vida? E nesta? Como seria eu para guardar este amuleto desirmanado já da sua própria história? É tudo tão ofensivo nestes momentos. Entender que o pouco que sobra não é também suficente.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D